Desde que as redes surgiram, muito foi feito em termos de tecnologia física (melhoria da qualidade dos links, aumento das capacidades das velocidades e do hardware associado, etc), porém pouco se fez para melhorar a forma como as aplicações se comunicam, isto é, os protocolos de rede ainda possuem um comportamento "antigo". Isto é, pelo menos até o surgimento dos aceleradores WAN. 

Cada rede WAN tem seus desafios únicos. Em alguns casos, simplesmente não há banda suficiente. Em outros, a banda que existe não pode ser utilizada de forma eficaz porque os pacotes são perdidos ou entregues fora de ordem (um problema comum em redes MPLS e VPNs IP). 

Ainda em outros cenários, o maior desafio é a latência, pois longas distâncias e protocolos com alta taxa de transmissão tornam difícil a comunicação em tempo real. 
 
Banda, latência e perdas juntos tem um impacto forte no throughput efetivo de uma rede WAN. Como resultado, as empresas precisam empregar aceleradores de WAN, que são capazes de atender estes três desafios de forma segura e escalável.
 
Veja como a tecnologia Silver Peak atinge este objetivo. 

O tamanho de janela TCP funciona como uma espécie de sinal de trânsito, informando ao computador que está enviando dados quanta informação este pode enviar nos próximos pacotes, durante uma conversação TCP. 
 

Diferentes aplicações, diferentes exigências. 
Algumas aplicações são bem tolerantes à latência, mas precisam de muita banda (FTP). Outras, ao contrário, consomem pouco, mas precisam de tempo de resposta (SQL queries, VoIP). Este segundo tipo de aplicação gera usuários frustrados ao menor soluço da rede. 

Com o crescimento da demanda causado pelas aplicações novas e aumento de usuários, os links precisam ser reavaliados. Será necessário aumentar a capacidade do link ou basta aplicar QoS?

 

Hoje em dia, é raro pensar em uma rede de longa distância sem aceleradores wan. Sendo considerados tão essenciais quanto o próprio roteador ou switch, é preciso entender como avaliar esta tecnologia, caso sua empresa esteja entrando neste mundo.
Veremos a seguir um procedimento adequado para avaliar diferentes soluções, e como comparar os resultados.

Para medir os resultados de seus equipamentos de aceleração WAN, cada fabricante emprega um método preferencial. Estes diferentes métodos, embora todos matematicamente corretos, podem induzir a interpretações equivocadas.

Ao avaliar a efetividade das soluções, é preciso portanto levar em consideração as diferenças entre estes métodos: o que psicologicamente é mais atraente, um resultado de 25%, um de 75%, outro de 300%, ou ainda um de 4X?

Tecnologias de aceleração WAN buscam acelerar um grande escopo de aplicações e protocolos sobre a rede de longa distância. Elas normalmente empregam diversas técnicas, incluindo compressão de baixo nível, deduplicação e otimização de protocolos. Porque não adicionar mais banda? Adicionar mais banda não necessariamente melhora o desempenho da aplicação executando na ponta da WAN. Veja porque.

Na arena de aceleração WAN, todos os concorrentes usam um recurso chamado de "deduplicação". O que poucos sabem é que existem diferentes formas de se fazer isto, e o resultado final pode ser fortemente impactado.
A deduplicação, em termos simples, é a substituição de segmentos repetitivos de dados por ponteiros, de forma que informações que já foram transferidas pela WAN não precisem cruzar o link novamente. 

A rede tem um comportamento imprevisível. Quando existe pouco tráfego, tudo vai bem, mas quando o tráfego aumenta, instala-se o caos. Por onde começar?

A maioria dos otimizadores de rede existentes no mercado – sejam eles aceleradores ou shapers (QoS) – trabalham somente sobre os protocolos TCP e UDP. Naturalmente, isto engloba a maioria das aplicações IP existentes, tais como http, email, ftp, voip, etc.  Porém cuidado! Isto pode não ser suficiente.
 

Pouco conhecido e raramente empregado, o NetFlow permite a visibilidade completa da rede, e o que é melhor, sem a necessidade de investir-se em complexas probes de rede.

Utilizar a infraestrutura de rede para comunicação por voz parece uma escolha simples, porém, o que esperar da mistura de aplicações com voz, e como garantir uma coexistencia pacífica no link?

A suposição comum que acompanha o QoS é a de que ele cria espaço para as aplicações com prioridade de tráfego na rede, assim acelerando o seu desempenho. Embora não seja totalmente falsa, esta visão carece de uma compreensão maior de como o QoS realiza o seu trabalho, e mais importante, quando.

A latência é um dos maiores vilões desconhecidos das redes e aplicações. Leia para aprender a avaliar como suas aplicações e seus usuários podem estar sofrendo com este efeito.

Volta ao Topo